Olá, estranha,

Como vai você?

Cheia de novidades, suponho. Mais de três anos se passaram. Reparou?

Encontrei sua família na rua dia desses. Fiquei feliz em vê-los. É sempre bom ter notícias de velhos amigos.

Na verdade, até nos dias em que te avistei de relance por aí, me senti bem. É reconfortante saber que você está ok, que sobrevive. Eu também, obrigada, caso queira saber.

Onde foi mesmo que a gente se perdeu? Continuar lendo

Anúncios

entre o fim e o começo

Não sei, as pessoas vivem perdendo amores da vida por aí. Quando as luzes se acendem num fim de tarde qualquer, em geral, a noite contabiliza mais corações partidos do que corações inteiros na imensidão desta cidade e acho que das outras também. Continuar lendo