Brasília, 31 do 3

Oi?

Você, provavelmente, nem está mais aí. Mas eu, sem mais, sem menos, só queria saber: como vão as coisas? Não te escrevo de mês em mês já há anos, não?

Chega a ser risível como a vida corre e a gente tropeça nos próprios passos, um pouco aqui, outro acolá, até se desvencilhar de gente querida. Continuar lendo

Anúncios

Olá, estranha,

Como vai você?

Cheia de novidades, suponho. Mais de três anos se passaram. Reparou?

Encontrei sua família na rua dia desses. Fiquei feliz em vê-los. É sempre bom ter notícias de velhos amigos.

Na verdade, até nos dias em que te avistei de relance por aí, me senti bem. É reconfortante saber que você está ok, que sobrevive. Eu também, obrigada, caso queira saber.

Onde foi mesmo que a gente se perdeu? Continuar lendo

o que há

Voltou-se para ele, com ar desolado:

– O que vai ser de nós? – suspiro – O que aconteceu com a gente?

– Não sei. Aconteceu alguma coisa com a gente?

– Sim. Quer dizer, não entre a gente. Mas com nós dois, separadamente.

Ele fita o asfalto molhado, refletindo, pelas luzes dos carros, o vazio que dá na alma dos outros em um domingo à noite. Não na dele, por não acreditar em alma. Ou porque, caso tenha uma, ela se mantém vazia indepente do dia da semana. Responde, com calma: Continuar lendo

tudo passa

Os dias já consumiram dois terços de março. O tempo passa discreto e calado. Li, certa vez, que ele é como um rio, que leva as horas no embalo suave de suas águas. Veloz e quase imperceptível. Em março, as águas desabam incessantes, em todo lugar. Sorte a minha. Assim, quase acredito que você também vai passar rápido. Além disso, não importa muito a vegetação do lugar, todo o mundo se renova com o outono. No Cerrado, a seca de abril seca até os amores.

Mas eu não quero esperar setembro para florescer, tal qual um ipê-amarelo.

No mais, quer saber? Eu não sei o que. Só sei que quero você. Continuar lendo

garrafa

A.,

Sei que disse que a correspondência do mês passado seria a última e você deve ter suspirado de alívio pelo meu amor não ser mais seu. Por isso envio este rascunho mar adentro, Atlântico afora. Na esperança de que as ondas, discretamente e mais uma vez, extraviem o que restou de nós. Além disso, convenhamos, você nunca leva a sério o que eu digo. No fim, não adianta, você ainda tem dois terços do meu carinho. Os dias correm bem mais depressa que o esquecimento. E, às vezes, sinto sua falta. Continuar lendo

madrugada

Não sei qual é meu problema. Toda noite de programações vazias e pouco excitantes – ou mesmo nas mais conturbadas, só que você não precisa saber disso –, minha boca sussura para minhas mãos que elas agarrem o telefone. Os dedos discam, compulsivos, aquela sequência numérica que me transmite até você.

Os olhos esperam apreensivos qualquer sinal da sua voz. Quando você, enfim, atende, os ouvidos suspiram aliviados.

É que meu corpo inteiro quer o teu. Continuar lendo

Rascunhos (1)

Desculpe encher sua caixa de e-mails com todas as minhas confusões. Desculpe, aliás, por ainda usar esta ferramenta arcaica pré era digital para te importunar. Eu poderia ser singelo e resumir minhas intenções em um SMS ou em qualquer desses métodos de bate-papo virtuais que andam por aí consumindo a realidade. Mas, você bem sabe, nem eu sei quais são minhas intenções. Continuar lendo